Centenas de árvores foram cortadas sem licença ambiental para garantir a visualização de painéis de publicidade na Capital, conforme a polícia.

Ao todo, cerca de 100 policiais civis e militares participam da operação, que conta com o apoio de cães; as equipes cumprem 12 ordens judiciais.

Por meio de uma denúncia anônima, a polícia identificou que policiais civis estariam transportando objetos ilícitos em viaturas.

Suspeitos emprestaram dinheiro para a vítima sob a cobrança de juros exorbitantes, e diante do não pagamento passaram à ameaçá-la de morte.

"A gente se jogou da cama para o chão e começou a gritar, dizendo que na casa tinha morador, que a gente era trabalhador. Mas eles disseram: 'morador é o c...' e continuaram atirando", disse uma moradora.

Além das 22 mortes confirmadas até o momento, outras duas foram informadas pela comunidade local; órgãos afirmam que a "alta letalidade da operação levanta suspeita de uma chacina" pelos policiais.

Ação policial busca desmantelar uma quadrilha estabelecida na região e com forte atuação no tráfico de drogas sintéticas.

Investigações constataram a existência de uma estrutura criminosa desenvolvida para lavar dinheiro obtido com a venda de drogas ilícitas por uma das principais facções criminosas do Rio

Ação acontece simultaneamente em Curitiba e outras cinco cidades do estado; maioria dos criminosos já têm passagens por crimes como roubo de carga, receptação e homicídio, segundo a polícia