Agentes públicos são suspeitos de criarem empresas fantasmas para burlar o processo licitatório; prejuízo ultrapassa os R$ 8 milhões.

A quadrilha chegou a roubar até mesmo uma retroescavadeira da Prefeitura de Londrina, o que deu início às investigações.

A polícia identificou que os alvos possuíam uma rede estruturada e diversas empresas constituídas, com atuação em licitações em órgãos públicos em todo o país.

A polícia estima que o prejuízo à indústria nos últimos dois anos seja superior a R$ 40 milhões; mandados são cumpridos no Paraná e no Rio Grande do Sul.

Por meio de uma denúncia anônima, a polícia identificou que policiais civis estariam transportando objetos ilícitos em viaturas.

Os policiais cumprem 28 ordens judiciais, sendo 14 mandados de busca e apreensão e 14 mandados de prisão preventiva contra os suspeitos.

Conforme a Polícia Civil, a quadrilha era especializada no roubo de cargas de cigarros e mercadorias de e-commerces.

Pelo menos dez vítimas foram identificadas até o momento no Paraná, com prejuízo de R$ 150 mil; mandados cumpridos em Ponta Grossa e São Paulo.

Ação acontece simultaneamente em Curitiba e outras cinco cidades do estado; maioria dos criminosos já têm passagens por crimes como roubo de carga, receptação e homicídio, segundo a polícia

Os clientes eram lesados quando realizavam pagamento pela maquineta de cartão, já que o golpista registrava o débito de um valor muito superior ao da compra