Os investigados convidaram e organizaram transporte em 8 de janeiro em Brasília, e compartilharam instruções detalhadas para a invasão aos prédios públicos.

Presidente declarou que "os malucos estão na rua, ofendendo pessoas, xingando pessoas", e citou a agressão sofrida pelo ministro Alexandre de Moraes em Roma.

Bolsonaro deve tentar liderar a oposição ao Governo Federal, mas precisará se defender em investigações como o escândalo das joias recebidas da Arábia Saudita e dos ataques à Brasília.

Além de reuniões com diferentes autoridades, a mobilização do grupo de parlamentares incluiu visitas aos complexos penitenciários da Papuda e Colmeia.

O blogueiro Oswaldo Eustáquio está foragido desde dezembro, após mandado de prisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Assim como a maioria das prisões brasileiras, as unidades prisionais para onde os bolsonaristas detidos estão sendo levados estão superlotadas.

As informações serão dirigidas ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco); veja como denunciar manifestantes e atos antidemocráticos.

Mensagens que circulam em grupos bolsonaristas anunciam uma "Mega Manifestação Nacional pela Retomada do Poder" para esta quarta-feira (11).

Empresas bancaram os ônibus que transportaram os bolsonaristas radicais à Brasília e auxiliaram os golpistas que permaneceram acampados no QG do Exército.

As internações aconteceram no mesmo período em que o político passou por crises envolvendo seu governo ou familiares dele.