Determinação atende um pedido da Polícia Federal, que investiga um suposto desvio e venda irregular de joias recebidas pelo ex-presidente de autoridades estrangeiras.

Ministro e seus filhos prestaram depoimento sobre as agressões; PF aguarda imagens de câmeras de segurança do aeroporto de Roma.

Os mandados foram expedidos pelo STF e cumpridos em endereços ligados aos investigados; a PF apura os crimes de injúria, perseguição e desacato contra Moraes.

Em solo italiano, o ministro foi abordado por um grupo de brasileiros que o chamou de “bandido”, “comunista” e “comprado”.

O ministro estava com a família quando foi abordado por três brasileiros, que o chamaram de “bandido”, “comunista” e “comprado”.

Mandado de prisão falso contra o ministro do STF surgiu no Banco Nacional de Monitoramento de Prisões; Polícia Federal investiga.

O ministro estipulou multa de R$ 100 mil por hora para donos de caminhões que estejam sendo usados em bloqueios irregulares nas rodovias.

Moraes havia determinado buscas e apreensões contra empresários bolsonaristas acusados de compartilhar mensagens antidemocráticas e golpistas.

De acordo com os autos, grupo defende a extinção do STF e ações violentas contra seus membros, além de divulgar notícias falsas sobre integrantes da Corte.