Moraes é hostilizado em aeroporto de Roma; PF investiga

O ministro estava com a família quando foi abordado por três brasileiros, que o chamaram de “bandido”, “comunista” e “comprado”.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi hostilizado por um grupo de brasileiros no aeroporto internacional de Roma, na Itália. Moraes estava acompanhado de familiares.

O incidente ocorreu nesta sexta-feira (14) e foi noticiado inicialmente por O Globo. O ministro foi abordado por três brasileiros que o chamaram de “bandido”, “comunista” e “comprado”.

Ainda durante a abordagem, um dos filhos de Alexandre de Moraes teria sido agredido.

Na Itália, Alexandre de Moraes ministrou uma palestra e participou de um fórum de direito.

A Polícia Federal foi acionada e apura a abordagem a Moraes, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O trio responsável pela agressão – dois homens e uma mulher – desembarcou no Brasil neste sábado (15) e foi identificado pela PF. Um inquérito foi aberto e eles deverão ser investigados por crimes contra a honra, ameaça e agressão.

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, condenou o ato de intolerância por meio de suas redes sociais, o qual considerou como “criminoso”.

“Até quando essa gente extremista vai agredir agentes públicos, em locais públicos, mesmo quando acompanhados de suas famílias? Comportamento criminoso de quem acha que pode fazer qualquer coisa por ter dinheiro no bolso. Querem ser ‘elite’ mas não tem a educação mais elementar”, declarou Dino.

O STF e o ministro Alexandre de Moraes não se manifestaram sobre a abordagem.