Os ministros Rosa Weber e Alexandre de Moraes teriam esclarecido às detidas que as suas condutas serão individualizadas e que elas serão punidas com Justiça.

Além de reuniões com diferentes autoridades, a mobilização do grupo de parlamentares incluiu visitas aos complexos penitenciários da Papuda e Colmeia.

O número total de denunciados pelo Grupo Estratégico de Combate aos Atos Antidemocráticos chegou a 912 pessoas, entre executores e incitadores.

Em 8 de janeiro, o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal foram invadidos e depredados por manifestantes intitulados de “patriotas”.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o TSE a disponibilizar os dados dos investigados.

Além de 20 pessoas presas pela Polícia Federal por envolvimento na depredação em Brasília, 920 pessoas seguem custodiadas na Capital Federal.

O homem foi filmado durante os atos antidemocráticos em Brasília e quebrou o relógio histórico, dado de presente ao imperador Dom João VI pela corte francesa em 1808.

Os detidos podem até estar em áreas separadas dos demais presos, mas passaram a conviver com as mesmas condições, como banho frio, superlotação e mau cheiro.

Os presos respondem por crimes como terrorismo e tentativa de golpe de estado; outras 220 pessoas foram liberadas, mas com a obrigação de cumprimento de medidas cautelares.

Ao justificar sua posição, o presidente Lula afirmou que uma CPI neste momento pode "causar uma confusão tremenda".