Alexandre de Moraes condenou a coligação de Bolsonaro, formada por PL, PP e Republicanos, ao pagamento de multa por litigância de má-fé.

Bolsonaro não ia até o Planalto desde o dia 3 de novembro; retorno ocorre um dia após o PL apresentar um relatório em que pede a invalidação de votos.

Atual presidente ainda não se manifestou sobre a derrota nas urnas e a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva pela maioria dos eleitores brasileiros.

O presidente costuma atacar as urnas eletrônicas e insinuar que a corte eleitoral pretende fraudar o pleito deste ano contra ele.


Principal adversário de Bolsonaro nas eleições, Lula afirmou que "é uma pena que o Brasil não tenha um presidente que chame 50 embaixadores para falar sobre algo que interesse o país".

Os sistemas eleitorais ainda passam por testes internos e podem ser aperfeiçoados até a lacração das urnas, que deve acontecer até 12 de setembro.

Em evento em Maringá, na véspera, Bolsonaro havia voltado a colocar em dúvida o sistema eleitoral e disse que seu governo não aceitaria provocações.

O TSE vem adotando uma série de medidas para ampliar a transparência do sistema eletrônico de votação na tentativa de esvaziar o discurso do chefe do Executivo de que as urnas são passíveis de fraudes.