Foto: Jonathan Campos/AEN

Paraná abre 2024 na liderança de exportações de carne de frango no país

O Estado acumulou um total de 165,9 mil toneladas embarcadas do insumo em janeiro.

O Paraná permanece na liderança do país em volume de exportações de carne de frango em 2024. Em janeiro, o Estado acumulou um total de 165,9 mil toneladas embarcadas do insumo, uma alta de 3,8% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Os dados são da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) e foram divulgados nesta quinta-feira (8). Apesar do bom resultado paranaense, o país exportou 404,9 mil toneladas de carne de frango em janeiro, número 3,8% menor que as 420,9 mil toneladas registradas no primeiro mês de 2023.

No mesmo período, a receita das exportações alcançou US$ 683,6 milhões, saldo 20,2% menor que o total registrado no ano anterior, com US$ 856,6 milhões, conforme a entidade.

“O fluxo mensal das exportações segue acima das 400 mil toneladas, dentro do esperado para o primeiro mês do ano. Apesar do quadro complexo em torno do Mar Vermelho, as nações do Oriente Médio seguem em destaque, com altas significativas nas importações”, avalia Luís Rua, diretor de mercados da ABPA.

No ranking de destinos de exportações estão Japão, 40,1 mil toneladas importadas em janeiro (+6,4% em relação a janeiro de 2023), seguido por Emirados Árabes Unidos, com 38,7 mil toneladas (+7,5%), China, com 38,4 mil toneladas (-36,2%), Arábia Saudita, com 34,9 mil toneladas (+7,9%) e África do Sul, com 31,9 mil toneladas (+8%).

Paraná é destaque também nas exportações de carne suína

O levantamento da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) divulgado nesta semana também aponta que o Paraná é destaque nas exportações brasileira de carne suína.

Em janeiro, o Brasil embarcou 99,6 mil toneladas, considerando todos os produtos, entre in natura e processados. O resultado é 11,7% maior o total exportado no mesmo período do ano passado, com 89,2 mil toneladas.

O Paraná figura atrás apenas de Santa Catarina (55,5 mil toneladas) em volume exportado, com 21,2 mil toneladas – alta de 3,44%.

“Há uma diversificação nos destinos das exportações brasileiras de carne suína, com o estabelecimento de maior demanda em determinadas nações da Ásia. Neste mês, também vimos países das Américas, como Chile e Estados Unidos, reforçarem suas compras”, pontua Ricardo Santin, presidente da ABPA.

A China, maior consumidora de carne suína do Brasil, importou 23,1 mil toneladas em janeiro (-44,6% em relação ao ano anterior). Em fluxo altamente positivo, as Filipinas importaram 12,3 mil toneladas no mesmo período (+241,3%), seguidas pelo Chile, com 10,8 mil toneladas (+65,7%), Hong Kong, com 9,5 mil toneladas (+34%) e Singapura, com 5,1 mil toneladas (+10%).