A droga estava escondida em tubos de PVC transportados na carretinha de uma caminhonete, conforme a polícia.

A despedida acontece na sede social do Paraná Clube, na Avenida Presidente Kennedy, no bairro Guaíra; sepultamento está marcado para a tarde.

Entre as vítimas estão familiares do PM, incluindo os filhos, a esposa e a mãe; após os crimes, o policial militar tirou a própria vida.

As vítimas eram quatro homens e uma mulher, todos jovens; a autoria e a motivação ainda são desconhecidas, e a Polícia Civil deve investigar o caso.

Quadrilha chegou a movimentar 750 mil maços de cigarros em uma única noite, e contava com policiais militares que faziam "vista grossa" para a atividade ilegal.

Apesar de toda a tensão, o jornalista, que é deficiente visual, manteve a calma e intermediou as negociações entre o bandido e a Polícia Militar.

Ação policial busca desmantelar uma quadrilha estabelecida na região e com forte atuação no tráfico de drogas sintéticas.

Suspeito jogou um carro contra a fachada do estabelecimento, mas não conseguiu acessar o interior da loja, segundo a PM.

Segundo informações da polícia, os dois homens teriam se desentendido, quando um deles pegou um pedaço de madeira e passou a agredir o outro.

O condutor estava sem o cinto de segurança e morreu antes da chegada do socorro médico, de acordo com a Polícia Militar.