Presidente do União Brasil defendeu que os parlamentares tenham "um mínimo de fidelidade partidária" em relação às legendas.

A articulação solicita a cassação do mandato do ex-juiz e a quebra de seu sigilo fiscal e bancário por gastos realizados durante a pré-campanha deste ano.

A presença surpresa do ex-juiz no debate ocorreu após troca de mensagens e conversas entre Moro e o próprio Bolsonaro.


Lula deverá focar suas respostas no impacto da economia na vida dos brasileiros, mas será questionado sobre escândalos de corrupção.

Ação do PT alega que o ex-juiz não tem seis meses de domicílio eleitoral no Paraná e, por isso, não poderia registrar candidatura pelo estado.

O valor declarado por Moro é menor do que os R$ 3,7 milhões que o ex-juiz afirmou, em janeiro, ter recebido da consultoria americana Alvarez & Marsal.


Na ação, os parlamentares do PT afirmam que Moro "manipulou a maior empresa brasileira, a Petrobras, como mero instrumento útil ao acobertamento dos seus interesses pessoais".

Moro virou réu em uma ação em que deputados do PT pedem que ele seja condenado a ressarcir os cofres públicos por prejuízos causados à Petrobras e à economia brasileira por sua atuação na Lava Jato.