Os beneficiários do programa de transferência de renda nos 399 municípios do Estado vão receber, em média, R$ 678,60.

O pente-fino foi realizado pela Controladoria-Geral da União; o Auxílio Brasil foi implantado durante o governo Bolsonaro e substituído neste ano pelo Bolsa Família.

No caso das camadas mais pobres, o avanço da renda ficou mais associado a fatores como o pagamento de benefícios sociais, como o Bolsa Família.

A parcela de R$ 600 com o adicional de R$ 150 a famílias com crianças de até 6 anos era uma das promessas de campanha do presidente Lula.

O programa social prevê o pagamento mínimo de R$ 600 por família, mais R$ 150 por criança de até 6 anos, promessas de campanha do presidente Lula.

Conforme o Governo, há pessoas com renda elevada, de aproximadamente nove salários mínimos, que recebem o benefício, destinado a famílias de baixa renda.

O programa social que estava com o nome de Auxílio Brasil no governo anterior, volta a ser chamado de Bolsa Família; 21,9 milhões de famílias serão beneficiadas.

"Tem gente ilegalmente dentro e tem quem tem direito está fora", afirmou o novo ministro de Desenvolvimento Social.

Houve um forte crescimento na quantidade de famílias compostas por apenas um integrante - chamadas de unipessoais - incluídas pelo programa social.