abelhas sem ferrão Litoral ParanáFoto: Denis Ferreira Netto/Sedest

Produtores do Litoral formam associação para criação de abelhas sem ferrão

Cerca de 85% da região é área de preservação, fator que favorece a meliponicultura.

Produtores de mel e produtos derivados de municípios do Litoral do Estado formaram uma associação para incentivar a criação de abelhas sem ferrão. A Associação de Meliponicultores do Litoral do Paraná (AME) foi formalizada na última semana, durante encontro com técnicos da Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), em Pontal do Paraná.

A meliponicultura consiste na criação de abelhas sem ferrão, também conhecidas como abelhas indígenas, abelhas nativas ou meliponíneos. Participam da associação as sete cidades da faixa litorânea: Antonina, Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes, Paranaguá e Pontal do Paraná.

“A associação começou a ser criada em outubro de 2023 por um grupo de meliponicultores que participou de um curso de produção de abelhas nativas. Esse grupo iniciou um movimento para integrar produtores já em atividade e dar oportunidade para que novos produtores e interessados pudessem adquirir conhecimento e troca de experiências”, explica o secretário da AME Litoral, Sérgio Auffinger.

A atividade vem ganhando destaque principalmente entre agricultores familiares. A cultura é uma boa alternativa de renda para essa população. Além disso, cerca de 85% da região é área de preservação, fator que favorece ainda mais a meliponicultura.

Conforme a Adapar, um dos objetivos da associação é potencializar a produção na região, com a promoção de cursos voltados a interessados. Estão sendo programadas melipofeiras, onde o associado pode apresentar e vender seus produtos: mel, derivados de mel, enxames, acessórios, mudas de plantas melíferas e artesanato.

As atividades da AME Litoral acontecem no Balneário Shangri-lá, em Pontal do Paraná, na sede da A.MAR, associação comunitária que apoia e disponibiliza a sede.