Pedro Ribeiro

Na Assembleia Legislativa, o clima é de desânimo por parte de alguns parlamentares que não compactuam com o que vem acontecendo na dita “Casa do Povo”. Intrigas, fogo amigo, inimigo, e uso desnecessário do poder que vêm arranhando a imagem do legislativo paranaense e, consequentemente, desgastes junto aos eleitores. Luiz Fernando Guerra confessa que está desgostoso com a situação e espera que haja consciência das lideranças políticas para apagar este incêndio que só prejudica a atividade parlamentar.

Estive na Alep nesta terça-feira (26), entregando alguns livros da Mata Atlântica, Desafios e Esperanças no Paraná. Em conversa com Guerra e Luiz Cláudio Romanelli pude registrar o descontentamento em relação, também, à questão do pedágio que causou problemas nas praças de cobranças neste final de semana, com longas filas e principalmente falta de infraestrutura das concessionárias para atender aos usuários.

“Não podemos entender como as concessionárias estão cobrando tarifas sem, antes, resolver os problemas das rodovias. Conforme contrato, elas só poderiam cobrar tarifas após 90 dias de trabalhos para deixar as rodovias em condições de trânsito o que não aconteceu em várias regiões do estado”, questionou Romanelli.

Para Guerra, que esteve visitando o Noroeste do Estado no final de semana e enfrentou os problemas nas rodovias e praças, emitiu uma nota nesta terça-feira onde afirma que as concessionárias não poderão aumentar tarifa de pedágio se não cumprirem cronograma de obras. A Lei é do próprio deputado e já está em vigor. Para o parlamentar, esta é uma garantia para que os usuários não sejam prejudicados. “As empresas precisam cumprir com suas obrigações e os usuários não podem ser prejudicados com aumento de tarifa”.