RB| Viagem com o Pet: Dica para transportar o melhor amigo em segurança

Cães e gatos podem e devem ser incluídos nos passeios de férias, no entanto, cuidados são importantes para evitar transt..

Cães e gatos podem e devem ser incluídos nos passeios de férias, no entanto, cuidados são importantes para evitar transtornos para o pet e para o dono.

O verão chegou e muita gente vai aproveitar a temporada de calor para viajar com a família.

Nessas horas, quem tem pet costuma viver um dilema: levar o animal à tiracolo ou recrutar alguém para cuidar dele?

Para o veterinário Jorge Morais, fundador da rede Animal Place, a decisão deve ser tomada com muita cautela, levando em consideração a espécie do animal,  bem como sua idade e saúde.

“Os felinos, em geral,  costumam se estressar mais em viagens, nesse caso, recomendo transportá-los somente se for inevitável. Se tem alguém de confiança que pode cuidar do pet em seu ambiente, é muito melhor deixá-lo”, alerta.

Cães, por sua vez tendem a viajar com mais tranquilidade, mas é preciso evitar viagens muito longas, ter cuidado redobrado nas paradas, cuidar da ventilação e observar a temperatura corporal do animal.

“Se puder viajar durante a noite, especialmente no verão, é mais interessante”, recomenda.

Há leis para condução de animais em viagens de avião ou carro e, por este motivo, é essencial que o tutor informe-se e programe o passeio com antecedência.

Veja algumas dicas, abaixo: 

Viagem de carro

Apesar de não ser obrigatório o uso da caixa transportadora dentro dos veículos de passeio, essa é a melhor opção para os gatos que costumam ficar agitados nesses momentos.

“Deixe a caixa transportadora aberta pelo menos um dia antes em um local onde o gato possa entrar e se acostumar com aquele ambiente. Isso faz com que ele perca o medo e não se recuse a entrar nela antes da viagem”, comenta o veterinário.

Outra dica é prender a caixa com o cinto de segurança, para evitar que o animal se machuque com o movimento do veículo.

Já para os tutores de cachorro, a recomendação é manter o animal preso, de forma que ele não possa distrair o dono e tenha sua movimentação reduzida.

“O correto é prender o cão com o auxílio de uma guia no cinto de segurança, impedindo que ele consiga pular para os bancos da frente ou atrapalhar o motorista de alguma forma”, explica Morais.

Outra alternativa são as cadeirinhas para cachorros, aconselhadas para os cães de pequeno porte.

“Recomenda-se ainda a baixa ingestão de líquidos pelos animais, para evitar vômitos”, acrescenta. 

Transporte em avião

Quem pretende viajar de avião com um bichinho de estimação precisa se programar com pelo menos 3 meses de antecedência.

“Os trâmites variam de acordo com o destino e Cia aérea, principalmente para voos internacionais”, alerta o especialista.

No geral, é necessário o uso de caixas de transporte e microchips de identificação, porém ambos precisam atender às exigências do país de destino.

Também é fundamental estar com a vacinação em dia, e, em alguns casos, a imigração ainda pede exames que comprovem que o animal  está saudável.

Cuidado redobrado com filhotes e idosos

Independente do meio de transporte, filhotes que ainda não tomaram todas as doses das vacinas não podem viajar e com os animais idosos é preciso ter uma atenção especial.

O ideal é fazer uma visita ao veterinário e pedir exames que atestem a saúde do bichinho antes de tirá-lo de casa.

“Pets idosos ou com problemas cardiorrespiratórios não devem ir, a não ser que não seja possível evitar a viagem”, finaliza o veterinário.