Água: barragens que abastecem Curitiba e região atingem 100%

Esta é a primeira vez que os reservatórios que abastecem Curitiba e Região Metropolitana com água alcançam o nível máximo desde o fim do rodízio.

As barragens do Sistema de Abastecimento Integrado (SAIC), que abastecem Curitiba e Região Metropolitana com água, alcançaram 100% de sua capacidade. A informação é da Sanepar.

O pleno restabelecimento de todo o sistema ocorre pela primeira vez após o fim do rodízio de água, em janeiro deste ano.

A Barragem do Passaúna, na Região Metropolitana de Curitiba, foi a último dos quatro reservatórios a atingir 100% de sua capacidade.

Em março, as barragens Iraí e Piraquara II já haviam atingido 100% de seus níveis. O Piraquara I alcançou este patamar em abril, com pequena oscilação em maio, até voltar para 100% no mês seguinte. As quatro barragens somam cerca de 150 bilhões de litros de água.

Conforme a Sanepar, o tempo maior para o Passaúna chegar a 100% decorre de sua localização e de seu modelo de funcionamento. As outras três barragens recebem mais rapidamente os benefícios das chuvas por estarem mais próximas à Serra do Mar, o que não ocorre com a do Passaúna.

O posicionamento dos reservatórios em relação às estações de tratamento também tem reflexo no volume de água armazenado. Diferente de Iraí, Piraquara I e Piraquara II, na Barragem do Passaúna, a captação é feita diretamente no reservatório, ou seja, a água que entra é a água que sai para o abastecimento público.

Há ainda um outro fator que pode interferir na reservação de água do Passaúna. Nesta bacia, situa-se um grande número de poços subterrâneos que também sofreram os efeitos da estiagem. Esses poços recebem as águas das chuvas que infiltram no solo e no lençol freático antes de escoarem para a barragem. Com a regularidade das chuvas dos últimos meses, houve a recarga do lençol freático e dos poços, contribuindo também para o aumento do volume do reservatório.

Crise hídrica no Paraná

O Paraná foi duramente castigado pela estiagem em 2020, quando os reservatórios atingiram níveis mínimos históricos, de 26,77%, em novembro daquele ano. A crise hídrica motivou a Sanepar a implementar o sistema de rodízio no abastecimento em Curitiba e outros municípios da Região Metropolitana. Foram 649 dias com a adoção de medidas de contingência.