Saúde
Hepatite A em Curitiba: Prefeitura alerta para os cuidados na relação sexual
(Foto: Freepik)

Hepatite A em Curitiba: Prefeitura alerta para os cuidados na relação sexual

Homens, de 20 a 39 anos, são os principais pacientes da doença na capital

Brenda Iung - segunda-feira, 1 de julho de 2024 - 16:48

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba anunciou nesta segunda-feira (1º de julho) um novo boletim epidemiológico sobre a Hepatite A, relatando um aumento significativo de 13 novos casos em apenas uma semana. Desde janeiro até 28 de julho, foram confirmados 366 casos da doença, resultando em cinco óbitos e um transplante hepático, configurando um surto na capital paranaense. Em comparação, no mesmo período de 2023, apenas cinco casos foram registrados.

Relações sexuais desprotegidas são a principal causa de Hepatite A em Curitiba

Uma investigação epidemiológica conduzida pelas equipes da SMS e pelo Programa de Epidemiologia Aplicada do Sistema Único de Saúde (EpiSUS), do Ministério da Saúde, revelou que a principal forma de transmissão da Hepatite A em Curitiba é de pessoa para pessoa, predominantemente por contato sexual. A maioria dos casos confirmados ocorre entre homens jovens, com idades entre 20 e 39 anos.

“Nossa principal orientação é adotar hábitos preventivos, principalmente a higiene das mãos, genitália e região anal antes e após práticas sexuais”, aconselha Alcides Oliveira, diretor do Centro Municipal de Epidemiologia.

Prefeitura de Curitiba orienta para os cuidados nas relações sexuais

Uma das principais formas de se prevenir contra a Hepatite A é manter uma higiene rigorosa, lavando as mãos com água e sabão antes de comer e após usar o banheiro. Nas práticas sexuais, é crucial adotar cuidados específicos:

  • utilização de preservativo interno ou externo nas relações sexuais
  • higienização das mãos, genitália, períneo e região anal antes e após as relações sexuais
  • limpeza de vibradores, plugs anais e vaginais ou outros acessórios utilizados durante as práticas sexuais
  • uso de barreiras de látex durante o sexo oro/anal e luvas/dedeiras de látex para práticas como dedilhado ou “fisting”

Vacinação é a melhor forma de evitar a Hepatite A

Para conter a disseminação da doença, a SMS aguarda a chegada de vacinas para imunizar os contatos familiares e sexuais dos casos confirmados nas últimas duas semanas. “A estratégia de vacinação está sendo definida esta semana e será implementada assim que as novas doses chegarem do Ministério da Saúde”, explica Alcides Oliveira.

Desde 2014, a vacina contra Hepatite A faz parte do calendário nacional de vacinação do SUS para crianças de 1 a 4 anos, disponível nas Unidades de Saúde de Curitiba. Adultos podem receber a vacina apenas em situações específicas, como pessoas vivendo com HIV/Aids, doadores de órgãos sólidos, transplantados, entre outras condições, com a imunização sendo realizada nos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (Crie) do Governo do Estado.

Sintomas e diagnóstico de Hepatite A

Os sintomas da Hepatite A incluem falta de apetite, mal-estar geral, enjoo, febre, fadiga, olhos e pele amarelados, urina escura e fezes esbranquiçadas. Dado que os sintomas iniciais podem ser confundidos com os de outras viroses, é essencial que as pessoas procurem atendimento médico para um diagnóstico diferencial. Aqueles que apresentarem sintomas leves podem buscar orientação pela Central Saúde Já, ligando para (41) 3350-9000.

“O jovem tende a minimizar sintomas e se automedicar, o que pode prejudicar o fígado já fragilizado pela doença, agravando a situação de saúde”, alerta um médico da SMS.

Hepatite A em Curitiba: números

Dos 366 casos confirmados, 220 pacientes necessitaram de internação (60%), e 12 (3,2%) precisaram de cuidados intensivos em UTI. A distribuição de casos por gênero revela que 73% dos infectados são homens (267), enquanto 27% são mulheres (99).

*Com assessoria.

Compartilhe