Senior woman meditating in lotus position at home, sitting on the floor in fitness clothing. Mature woman doing a breathing workout to achieve relaxation, peace and mindfulness.

Diálogo Saudável aborda saúde mental e gerenciamento de emoções

Psiquiatra e psicóloga falam sobre ansiedade e depressão no podcast Unimed Curitiba

O que era um assunto restrito aos consultórios de psicólogos e psiquiatras, agora permeia diálogos e conversas corriqueiras. Cerca de 10% da população mundial sofre algum tipo de transtorno mental segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Brasil lidera o ranking na América com 1 a cada 3 brasileiros sofrendo com algum sintoma relacionado aos distúrbios mentais. Os mais comuns – depressão e ansiedade.

Houve um aumento de 285% em atendimentos relacionados à ansiedade na rede pública, chegando a quase 274,5 mil em 2023 (71 mil era o número registrado em 2019), segundo Dados do Ministério da Saúde.

O podcast Diálogo Saudável da Unimed Curitiba convidou o médico cooperado especialista em psiquiatria, Gustavo Sehnem e a psicóloga Jenima Prestes Vilches, que dão dicas importantes para evitar quadros de ansiedade e depressão.

Lide com o desconhecido de forma saudável

A forma como lidamos com o desconhecido é o que gera emoções muitas vezes desagradáveis que podem evoluir para algum distúrbio, principalmente ansiedade. A principal dica da psicóloga é lidar com as situações somente quando elas aparecerem, sem tentar antecipar e evitando, desta forma, a ansiedade ou nervosismo. “Estarmos preparados para o novo, aceitar o que a vida nos apresenta e saber nos desvincularmos do que nos faz mal emocionalmente são formas saudáveis para lidar com o novo”, finaliza a psicóloga. Para o psiquiatra, “existe a ansiedade saudável, que é aquela que não prejudica o meu dia a dia, ela vai e vem de forma natural”, compartilha.

Saia do estado de alerta constante

De acordo com o médico especialista, se uma pessoa fica em estado constante de alerta, o organismo fica hiperativo liberando substâncias químicas gerando estresse constante porque entende que está sendo ameaçado a todo momento. Os sintomas físicos desse estado de alerta constante são musculatura tensa, respiração mais curta e coração acelerado. Esse quadro gera um cansaço extremo ao corpo, gerando uma exaustão. As consequências são noites mal dormidas, distúrbios de apetite (comer demais ou de menos), alterações constantes de humor, entre outros. “Nesse sentido o esporte e uma atividade de lazer, por exemplo, podem trazer benefícios, pois liberam outras substâncias químicas, mas dessa vez relacionadas ao prazer e ao relaxamento”, explica Sehnem.

Dê um tempo!

“Saber parar de ver as redes sociais e sair um pouco desse mundo onde não existe descanso é essencial para a saúde mental”, alerta a psicóloga. “Temos a sensação de que, se não estivermos conectado o tempo todo, estamos perdendo algo. Precisamos saber a hora de parar. Uma dica é sempre avaliar o que é realmente necessário no seu dia a dia e saber identificando caso houver algum comportamento compulsivo por informação”, comenta.

Imponha limites e saiba priorizar o que é importante pra você

É importante saber reconhecer os excessos para poder limitá-los e saber estabelecer o que de fato importa no dia a dia. De acordo com a psicóloga, é assim que percebemos e nos adequamos segundo nossos gostos e o que nos é essencial. A consequência é a busca constante pelo equilíbrio e a melhor administração de emoções causadoras da ansiedade.

Renuncie ao controle

Pessoas com ansiedade tendem a querer prever situações para poder controlá-las. Abrir mão de querer controlar é também agregar mais tempo e qualidade de vida no dia a dia.

Persista nas mudanças de hábitos

A constância em adquirir novos hábitos fará com que quadros como depressão e ansiedade melhorem. Insistir em novos hábitos saudáveis no dia a dia como boa alimentação e prática de atividades físicas aliadas a atividades prazerosas pode não ser fácil, mas são garantias de uma melhora significativa da saúde como um todo (física e mental).

Clique e confira a entrevista completa pelos canais YouTube ou Spotify da Unimed Curitiba.