Esportes
Coritiba anuncia assinatura do contrato para a venda da SAF por R$ 1,3 bilhão

Coritiba anuncia assinatura do contrato para a venda da SAF por R$ 1,3 bilhão

Para ser oficializada, a operação precisa da aprovação do Conselho Deliberativo, Assembleia de Sócios e juízo da recuperação judicial.

Vinicius Cordeiro - terça-feira, 9 de maio de 2023 - 13:04

O Coritiba anunciou a assinatura do contrato com a Treecorp, gestora de investimentos em empresas, na venda da SAF (Sociedade Anônima de Futebol). De acordo com o clube, 90% do capital do clube-empresa foi negociado por um investimento superior a R$ 1,3 bilhão nos próximos 10 anos.

Para ser oficializada, a operação precisa da aprovação do Conselho Deliberativo (convocada para amanhã), Assembleia de Sócios e juízo da recuperação judicial.

Segundo o vídeo divulgado pelo clube, serão: 

  • R$ 270 milhões destinados para a quitação das dívidas
  • R$ 100 milhões para um novo Centro de Treinamento
  • R$ 500 milhões para reforma do estádio Couto Pereira
  • R$ 450 milhões para ‘operação’ (reforços e capital de giro)

Segundo o anúncio, o último valor vai viabilizar o orçamento que possilitará ao Coritiba disputar, em alto nível, de todos os campeonatos de elite do futebol brasileiro.

SAF DO CORITIBA

Para comprar a SAF do Coritiba, a Treecorp abrirá uma empresa com o nome Coxa S/A, que será responsável pelos 90%. Os investidores terão todo o controle sobre o futebol, como a contratação de jogadores e membros da comissão técnica e a montagem do planejamento. A primeira mudança foi a saída do head esportivo Lucas Drubscky.

Já a associação civil seguirá responsável pela fiscalização da administração dos novos proprietários.

Segundo o jornalista Rodrigo Capelo, que adiantou valores da negociação no ge, o Coritiba colocou em contrato que a Treecorpo deverá gastar por ano um mínimo de R$ 120 milhões ou 50% da receita, o que for maior, em “investimento em futebol”. Isso se refere à folha salarial e contratações.

No entanto, o orçamento mínimo poderá ser reduzido em caso de rebaixamento para a Série B.

Na prática, uma situação hipotética seria a seguinte: se a soma de salários e direitos de imagem for de R$ 80 milhões no ano, pelo menos R$ 40 milhões deverão ser usados na compra dos direitos de atletas.

Além disso, a SAF no Coritiba deve ter a criação de um Conselho de Administração, com até dez membros. Já o Conselho Fiscal terá cinco integrantes.

Roberto Justus já declarou que pode fazer parte do conselho administrativo. Ele é sócio minoritário da Treecorp, que é comandada por três sócios-diretores: Filipe Lomonaco, Bruno D’Ancona e Danilo Soares. 

Compartilhe