Economia
Empregos: população brasileira ocupada chega a 100 milhões de pessoas, diz IBGE
Foto: Emerson Dias/NCom

Empregos: população brasileira ocupada chega a 100 milhões de pessoas, diz IBGE

Com alta na geração de empregos, o número de trabalhadores com carteira assinada é o maior da série histórica.

Rafael Nascimento - domingo, 23 de junho de 2024 - 15:00

A população brasileira ocupada alcançou 100,7 milhões de pessoas. Com alta na geração de empregos, o número de pessoas no mercado de trabalho cresceu 1,1% em relação a 2022. Os dados são do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

De acordo com a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), 99,6 milhões de brasileiros estavam ocupados em 2022. Em 2012, por sua vez, o número era de 89,7 milhões de pessoas – 12,3% menor que o registrado no ano passado.

Em relação a 2022, o total da população em idade de trabalhar expandiu 0,9%, e foi estimada em 174,8 milhões de pessoas em 2023, ano em que o nível da ocupação ficou estimado em 57,6%, ainda conforme o IBGE.

O percentual de trabalhadores com carteira assinada no setor privado teve expansão de 2012 (39,2%) a 2014 (40,2%); no entanto, a partir de 2015, essa categoria passou a registrar queda. Em 2023, voltou a crescer, alcançando 37,4% da população ocupada – ante a 36,3%, em 2022. O número desses trabalhadores em 2023 (37,7 milhões) foi o maior da série.

Já os empregados sem carteira assinada no setor privado atingiram o percentual de 13,3% em 2023, queda de 0,3 ponto percentual em um ano. Contudo, apesar da queda, a estimativa continua sendo uma das maiores da série histórica.

Sem grandes variações ao longo da série, os empregados no setor público, incluindo no regime estatutário e militares, mantiveram sua participação em torno de 12% em 2023, equivalente a 12,2 milhões de trabalhadores.

Os trabalhadores domésticos também seguiram em estabilidade, apresentando o mesmo percentual de 2022: 6% dos ocupados.

Número de empreendedores se mantém estável no país

Após crescimento significativo de 2019 para 2022 (6,3%), o contingente formado por empregadores e trabalhadores por conta própria ficou praticamente estável em 2023, estimado em 29,9 milhões de pessoas. Desses, 9,9 milhões (33%) estavam em empreendimentos registrados no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), apontando queda em relação a 2022.

A maioria dessas pessoas era formada por homens, 64,6%. Entretanto, embora houvesse predomínio do contingente masculino entres empregadores e trabalhadores por conta própria, o percentual de pessoas com registro no CNPJ era um pouco maior entre as mulheres (34,5%) do que entre os homens (32,3%). Observou-se, de 2022 para 2023, uma queda desse registro para ambos os sexos: 1,7 e 0,9 p.p., respectivamente para mulheres e homens.

Os empregadores e os trabalhadores por conta própria estavam principalmente concentrados nas atividades do comércio e serviços, com participações de 21,3% e 43,8%, respectivamente. Essas duas atividades também apresentavam as maiores taxas de coberturas no CNPJ, de 46,8% e 38,1%, respectivamente.

*Com informações da Agência Brasil.

Compartilhe