Colunas
Riscos de se viajar pelas rodovias paranaenses
Foto: TVCI

Riscos de se viajar pelas rodovias paranaenses

As BRs-277 e 376 são as mais perigosas e registram aumento de acidentes com mortes

Pedro Ribeiro - sexta-feira, 14 de junho de 2024 - 11:38

Viajar pelas rodovias federais – BR-277 e BR-376 – no Paraná tornou-se um grave risco de vida. “É como um policial que sai de sua casa para patrulhar as ruas e não sabe se volta”, disse um soldado da PM que preferiu não se identificar. “Eu faço o sinal da cruz todas as vezes em que vou a Paranaguá”, afirmou Helena Teixeira, executiva de uma trade de Curitiba.

Só em março de 2024, a Polícia Rodoviária Federal registrou 125 mortes no Estado, sendo que desse total 85 aconteceram nestas duas importantes rodovias.

A maioria dos acidentes com vítimas e mortes nas rodovias do Brasil são por colisões, saídas da pista sem observar os outros veículos e capotamento. A maior culpa é do motorista que tem reação tardia ou ineficiente na condução do seu veículo, seja ele de passeio ou de transporte de cargas. Em segundo vem ausência total de reação.

“O número de acidentes vem aumentando e, além da irresponsabilidade de muitos condutores de veículos, um fator que preocupa e contribui para o aumento do número de acidentes é a falta de fiscalização nas nossas rodovias. Vários postos da Polícia Rodoviária foram fechados em todo o Estado por falta de contingente”, lamenta o presidente da Fetranspar, coronel Sergio Malucelli.

A Polícia Rodoviária Federal registrou um aumento nos números dos acidentes de trânsito, de feridos e de mortos nas rodovias federais do Paraná em 2024 comparado aos quatro primeiros meses de 2023. O dado mais preocupante é a alta nas mortes, que subiram 7% e chegaram a 182 mortes, 12 a mais do que em 2023.

Outro fator que a entidade tem alertado é a ausência de “parada técnica” para repouso dos motoristas de caminhões que saem do Norte, Noroeste e Sudoeste do Estado tendo, muitas vezes, que tocar direto, o que, pelo cansaço, pode provocar acidentes. Na BR-277, a maioria das batidas acontece nos quilômetros 32, 34 e 36, no final da Serra em direção a Paranaguá, disse Malucelli.

Em 2024, nas rodovias federais do Paraná, foram contabilizados 6.827 sinistros de trânsito, que provocaram a perda de 559 vidas. Esses números são menores do que em 2022, quando 568 pessoas morreram em 7.113 sinistros. Além disso, considerando os quatro primeiros meses de 2024, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou um aumento nos números dos sinistros de trânsito nas rodovias federais do Paraná, comparando com o mesmo período de 2023.

Todos os principais indicativos – quantidade de sinistros, de feridos e de mortos – se apresentam maiores em 2024.

O dado mais preocupante é a alta nas mortes, que subiram 7% e chegaram a 182 mortes, 12 a mais do que em 202323. As BRs 277, 376, 116, 476 e 369 concentraram o maior número de ocorrências nos últimos anos, totalizando 21.829 acidentes registrados nas estradas do Paraná.

Compartilhe