Colunas
Família Barros leva mil pessoas em encontro que elegeu Maria Victória presidente do Progressistas

Família Barros leva mil pessoas em encontro que elegeu Maria Victória presidente do Progressistas

“Que o partido continue crescendo e defendendo os interesses do Paraná”, disse o governador Ratinho Junior (PSD)

Pedro Ribeiro - terça-feira, 18 de junho de 2024 - 20:10

“Estamos fortalecendo o partido e esperamos ter uma boa colheita”, disse o deputado federal, Ricardo Barros, sobre o encontro dos Progressistas que elegeu sua filha, a deputada Maria Victória como presidente do partido no Paraná. Perto de mil pessoas participaram da convenção, comemorou a mãe da deputada, ex-governadora Cida Borghetti, eleita presidente de honra da sigla. “O Paraná é um estado referência para o Brasil. Temos um diretório forte e uma das bancadas mais qualificadas na Câmara Federal”, observou Barros.

O Progressistas está presente com diretório ou provisórias em 92% dos municípios paranaenses. O partido cresce e se consolida em todos os cantos do estado. “Somos um time que joga unido, com clareza e transparência. É assim a nossa relação com os prefeitos e vice-prefeitos, com os deputados, vereadores, lideranças e com Governo do Estado”, disse Maria Victória.

Orlando Kissner/Alep

“A aliança com o governador Ratinho Júnior é sólida e produtiva. Compartilhamos valores e objetivos comuns, trabalhando para promover o crescimento econômico, a geração de empregos e a melhoria da qualidade de vida de todos os paranaenses”, completou.

ratinho junior aprovação projeto parceiro da escola democracia
(Foto: Roberto Dziura Jr/AEN)

Presente no encontro, o governador Ratinho Junior (PSD) fez um agradecimento a toda família Progressistas. “Não se governa sozinho e eu tenho a alegria de ter na Assembleia Legislativa uma base importante de deputados do Progressistas. Que o partido continue crescendo e defendendo os interesses do Paraná”, destacou.

O vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel, enfatizou o papel do partido no desenvolvimento e na melhoria da capital. “O Progressistas é um partido organizado, sabe trabalhar e é municipalista. Um partido que ajudou até agora a fazer Curitiba ser a melhor cidade do país para se viver. Eu quero as ideias, as pessoas e a força do Progressistas nesta caminhada. Vamos juntos continuar administrando a nossa cidade”, afirmou.

.O deputado federal Pedro Lupion elogiou o crescimento da bancada e a competência do partido na administração pública, especialmente no agronegócio. “O partido tem uma representatividade enorme em todos os cantos do Paraná. É o estado que mais tem deputados federais do Progressistas no Brasil e na Assembleia Legislativa a bancada cresce a cada dia. Hoje não existe partido neste Brasil que defenda o agro brasileiro e o produtor rural como o Progressistas”.

Lula falta com a verdade, diz Oriovisto

O senador Oriovisto Guimarães disse nesta terça-feira (18) que o presidente Lula está mal assessorado. A crítica, feita durante entrevista à rádio CBN, o parlamentar observou que o presidente fez afirmações que não correspondem aos fatos, como dizer ser contra a taxação das blusinhas: “Se o presidente da República é contra, ele tem o poder de veto. Se não vetar, vai demonstrar que faltou com a verdade”.

Oriovisto também rebateu o cálculo feito pelo presidente Lula de que as isenções para empresários chegam a R$ 547 bilhões: “Isso não é verdade, e eu me dei ao trabalho de fazer um levantamento mostrando que as isenções foram dadas, principalmente, para pequenos empresários do Simples Nacional, medicamentos, entidades sem fins lucrativos, Zona Franca de Manaus…ou seja, não é verdade que o empresariado está se apossando das receitas”.

Outra declaração de Lula desmentida pelo senador foi a de que “o Banco Central é a única coisa desajustada no País”. Para Oriovisto, uma inverdade, já que o governo se recusa a cortar gastos: “O problema não é o Banco Central que tem compromisso com a meta de inflação. Em um governo que tem déficit primário, se o BC não controla a taxa de juros, o país vai ficar pior do que está, porque o governo gasta mais do que arrecada. O Estado brasileiro precisa de uma reformulação, mas o presidente não quer fazer isso”.

Compartilhe